Pesquisa e Leitura

Seja bem-vindo à Sala de Referência e Leitura Virtual do Arquivo! Encontra-se no espaço onde pode aceder a diversas funcionalidades. Todo o seu relacionamento com o ADP passará por aqui.

Conheça os Projetos do ADP

Neste espaço, poderá conhecer os vários projetos do ADP, os já realizados ou ainda em curso. Surpreenda-se!
Este mês, "40 anos de 25 de Abril, 40 documentos"

 

Tema do mês

Para divulgar a documentação que custodia e os serviços técnicos e funções que lhe estão legalmente afetos, o Arquivo Distrital do Porto dinamiza o projeto “Tema do mês”, apresentando, todos meses, um novo Tema. Descubra o deste mês!

Projeto do mês Arquivo Distrital do Porto

...

Arquivo Distrital do Porto - Conhecer os Fundos do Arquivo

Referência e leitura

Apontar pistas,  caminhos, possibilidades de pesquisa. Referir hipóteses, por vezes certezas... localizar documentos, orientar o leitor, ouvir vontades, esperanças, problemas, por vezes administrativa ou pessoalmente decisivos... O testamento que granjeará a posse, o processo judicial onde terão sido em tempos (in)justamente repartidas heranças, os estatutos de qualquer obscuro organismo subitamente tornado fundamental...

Disponibilizar/comunicar a informação contida nos documentos custodiados é uma função nuclear do ADP.
No entanto, por detrás do simples ato de solicitar um documento, encontra-se um conjunto diversificado e complexo de tarefas realizadas para o serviço do leitor e do cidadão.
A organização, ordenação e descrição dos fundos documentais, a transferência de suportes e a disponibilização automatizada da informação são algumas dessas tarefas que permitem ao leitor descobrir o que procura.

No ADP consideramos como prioritário proporcionar ao utilizador cada vez mais e melhores possibilidades de pesquisa, auxiliá-lo e conduzi-lo ao encontro das suas vontades e necessidades de informação, elucidá-lo sobre o universo documental de um arquivo, formas de acesso, métodos de descoberta... 

 

Características dos documentos neste Arquivo

Os documentos custodiados pelo Arquivo têm características particulares que os diferenciam de documentos encontrados em outras unidades de informação, nomeadamente em bibliotecas ou centros de documentação.

Apresentam diferentes e variados formatos: maços, livros, rolos; e acondicionam-se em caixas, maços, pastas, etc.

Têm diferentes tipos de suporte: pergaminho, papel, película, CD-ROM etc.

Na sua grande maioria são manuscritos em diversos estilos e formas de letras – visigótica, processada, encadeada etc. – e, portanto, podem apresentar dificuldades de leitura, existindo ainda documentos datilografados e impressos, além dos digitais.

São documentos únicos que evidenciam atividades e funções de organismos/instituições, pessoas e famílias.
Atendendo à sua extensão, cerca de 12 Km de documentos, e às características internas de produção e constituição natural de séries, só excepcionalmente justificam o tratamento individualizados de tipo catálogo. Para ser possível ao utilizador obter uma visão do conjunto dos documentos, a descrição em arquivos, utilizando técnicas multinível, desce do geral ao particular usando os seguintes níveis de descrição:

Fundo (F)
É o nível mais importante. Um fundo é um conjunto de documentos criados organicamente e/ou acumulados e utilizados por uma pessoa individual ou colectiva no exercício das suas funções e atividades. A determinação de um fundo deve respeitar o princípio da proveniência.

Secção (SC)
Constitui uma subdivisão orgânica e/ou funcional do FUNDO.

Subsecção (SSC)
Corresponde a uma subdivisão orgânico e/ou funcional de uma SECÇÃO.

Série (SR)
Corresponde a uma unidade arquivística constituída por um conjunto de documentos simples ou compostos a que, originalmente, foi dada uma ordenação sequencial, de acordo com um sistema de recuperação da informação. Em princípio, os documentos de cada série deverão corresponder ao exercício de uma mesma função ou atividade, dentro da mesma área de atuação.

Subsérie (SSR)
É uma subdivisão da SÉRIE.

Documento composto / Processo (DC)
Unidade organizada de documentos juntos, quer para utilização corrente pelo seu produtor, quer no decurso da organização de um fundo, porque se referem a um mesmo tema, atividade ou transação, sujeito a tramitação própria, normalmente regulamentada.

Documento (D)
A mais pequena unidade arquivística intelectualmente indivisível. Embora não sendo considerados níveis de descrição, podem existir, ainda, unidades arquivísticas com funções primordiais de gestão, de entre as quais destacamos:

Entidade detentora (ED)
Constitui o topo da hierarquia das entidades arquivísticas utilizadas como forma de gestão. As entidades detentoras tem a responsabilidade pela recolha, tratamento, preservação e divulgação dos documentos do Arquivo. São, portanto, instituições ou unidades administrativas que detêm a custódia da documentação do Arquivo.

Grupos de Arquivos (GA)
É conveniente, para efeitos de gestão, agrupar fundos afins, provenientes de administrações idênticas. Este agrupamento de fundos facilita a tarefa de gestão de arquivos.

Unidade de instalação (UI)
É a unidade básica de cotação e instalação de um FUNDO e das suas respetivas suas partes, por ex. livro, caixa, pasta.

Como conclusão NÃO irá encontrar fichas de catálogos de documentos individualizados organizados de acordo com critérios temáticos. 

 

Como encontrar informação neste Arquivo

Para encontrar informação neste Arquivo deverá efetuar uma pesquisa Toda a informação existente em instrumentos de pesquisa em suporte papel foi normalizada segundo as regras de descrição arquivística e é atualizada e enriquecida permanentemente na base de dados de descrição arquivística DigitArq, disponível na Internet, sob o título Pesquisa nesta secção. Para efetuar pesquisas não precisa de se registar. Basta tão só aceder à interface e inserir os dados que pretende usar para obter a informação.
Os resultados poderão ser mais pertinentes se tiver conhecimento dos fundos custodiados por este Arquivo e qual o seu âmbito cronológico, o que poderá obter consultando o Cadastro dos Fundos. Igualmente, uma leitura do Auxiliar de pesquisa pode ajudá-lo a tirar o melhor partido, principalmente, na opção de pesquisa avançada. Sempre que tiver qualquer dúvida não hesite em contactar o serviço de referência e leitura. Não estando presente no Arquivo, pode fazê-lo remotamente por qualquer meio disponível nos nossos contactos.

 

Não deixe de efetuar as suas pesquisas e de se registar como nosso utilizador, efetuar os seus pedidos e obter a resposta e os serviços pretendidos, preferencialmente, através da interface da Sala de Referência e Leitura Virtual.

Arquivo Distrital do Porto - Tabela de Preços

O Arquivo Distrital do Porto, instituição pública empenhada na salvaguarda e conservação de um valioso património documental, faculta o acesso aos seus fundos documentais, assegurando aos utilizadores todos os meios indispensáveis ao estudo, investigação e certificação de documentos.
Assim, o presente regulamento inspira-se em dois princípios fundamentais: no princípio da responsabilidade patrimonial, deduzido do seu estatuto como Arquivo que zela pela preservação de uma parte importante da memória coletiva do distrito do Porto, fixada em manuscritos e noutros documentos a conservar para as gerações futuras; e no princípio do acesso, entendido como direito dos leitores e investigadores, designadamente daqueles para quem as fontes primárias a consultar constituem um instrumento de trabalho imprescindível.

 

I
Informação geral sobre disponibilidade dos serviços

1.1 Horário do Serviço de Referência e Leitura:
       2.ª a 6.ª feira das 9.30h às 16.00h. 1.2 Horário de requisição de documentos:
       2.ª a 6.ª feira das 9.30h às 15.30h. 1.3 Horário de requisição de reprodução de documentos:
       2.ª a 6.ª feira das 9.30h às 15.45h. 1.4 O Arquivo Distrital do Porto disponibiliza 37 lugares para pesquisa e consulta pública de documentos.

 

II
Informação geral sobre a utilização dos serviços

2.1 Condições de acesso

   2.1.1 O Arquivo Distrital do Porto faculta o acesso aos seus fundos documentais a todas as pessoas, devidamente identificadas e com mais de 16 anos.

   2.1.2 Os leitores que perturbem o normal funcionamento dos serviços e desobedeçam às advertências feitas pelos técnicos serão convidados a sair e, no caso de resistência, serão entregues às autoridades.

   2.1.3 Não é permitida aos leitores a entrada no Serviço de Referência e Leitura com:

     a) Sacos, malas, embrulhos, guarda chuvas, agasalhos, pastas – nomeadamente pastas de computadores portáteis;

     b) Livros, revistas, fotocópias, fotografias;

     c) Aparelhos fotográficos ou de digitalização de imagens;

     d) Telemóveis ativados;

     e) Aparelhos de reprodução de áudio;

     f) Alimentos ou bebidas;

     g) Animais.

   2.1.4 É permitido aos leitores a entrada com lápis, folhas, fichas e computadores portáteis.

   2.1.5 As pessoas portadoras de deficiência têm condições de acessibilidade, de acordo com o previsto no Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de agosto, mas requerem acompanhamento por parte de um colaborador do ADP.
Deve ser dada prioridade ao atendimento de idosos, doentes, grávidas, pessoas com deficiência ou acompanhadas de crianças de colo, bem como outros casos específicos com necessidades de atendimento prioritário, conforme o disposto no n.º 1, do artigo 9.° do Decreto-Lei n.º 135/99, de 22 de abril.

   2.1.6 Os leitores devem respeitar todos os presentes e manter um comportamento civilizado e ordeiro.

2.2 Procedimentos de acesso

   2.2.1 Na receção, os leitores identificam-se, depositam os objetos pessoais nos cacifos existentes e são encaminhados para o Serviço de Referência.

   2.2.2 Os serviços e espaços públicos do Arquivo Distrital do Porto encontram-se identificados na sinalética existente junto à receção.

   2.2.3 As áreas de utilização comum, nomeadamente espaços de lazer, espaço para fumadores e WC, encontram-se no piso 0 e identificadas na sinalética.

 

III
Informação sobre o Serviço de Referência

3.1 O Arquivo Distrital do Porto disponibiliza um Serviço de Referência com orientação especializada na consulta dos instrumentos de pesquisa, em suporte eletrónico e impressos. Através da pesquisa virtual, os leitores podem identificar de imediato os documentos que se encontram digitalizados. 3.2 Os instrumentos de descrição disponíveis são: DIGITARQ (base de dados de descrição arquivística), guia de fundos, inventários, catálogos, impressos ou manuscritos. 3.3. A requisição de documentos é efetuada por via eletrónica – sistema CRAV – pelo utilizador a partir da sua área pessoal , e comporta:

   3.3.1 Consulta presencial, com as seguintes condições:

     a) Limite a dez espécies documentais diárias, acrescido de mais dez, desde que reservadas no dia anterior. Em casos excecionais, poderá ser excedido desde que justificado e apreciado pelo técnico responsável;

     b) Reserva obrigatória de documentos de grande formato com antecedência mínima de 24 horas;

     c) Reserva de documentos com antecedência máxima até 5 dias.

3.4 A totalidade do acervo documental de que Arquivo Distrital do Porto é depositário pode ser consultado, exceto:

   3.4.1 Documentos sujeitos a restrições de comunicabilidade e acessibilidade, conforme o previsto na Lei (Decreto-Lei 16/93, de 23 de janeiro).

   3.4.2 Documentos originais que tenham sido objeto de transferência de suporte (microfilme, digital).

3.5 Informação sobre serviços prestados
Executados de acordo com os requisitos legais, as prioridades e a disponibilidade do ADP:

   3.5.1 Pesquisas especializadas;

   3.5.2 Certificação de documentos e averbamentos requeridos pelas entidades competentes;

   3.5.3 Reproduções de documentos: digitalização, microfilmagem, impressão em papel;

   3.5.4 Transcrições paleográficas;

   3.5.5 Orçamentos dos serviços prestados.

3.6 As obras e outros instrumentos de apoio à pesquisa disponíveis nas estantes da sala de referência devem ser consultadas nesse local, estando proibida a deslocação das mesmas para outro espaço.

 

IV
Informação sobre o Serviço de Leitura

4.1 O ADP disponibiliza uma sala de leitura de originais e documentação em suporte digital e uma sala de consulta de microfilmes. 4.2 A documentação requisitada será entregue aos leitores nos seus lugares, até vinte minutos depois de efetuada a requisição. Se isso não se verificar, os leitores deverão dirigir-se ao balcão e indagar, junto do técnico responsável pelo Serviço de Referência e Leitura, a razão da demora. 4.3 Todos os leitores devem:

   4.3.1 Cumprir as regras de manuseamento ;

   4.3.2 Zelar pelas espécies documentais que recebem até à sua devolução;

   4.3.3 Manter na sua posse os documentos requisitados, não efetuando permutas ou cedências com outros leitores;

   4.3.4 Permanecer no mesmo lugar durante a sua estada na sala de leitura. Em caso algum a documentação poderá sair desse espaço físico;

   4.3.5 Comunicar a sua ausência ao técnico responsável, para que os documentos continuem na sala de leitura por um período de tempo superior a 30 minutos.

4.4 São admitidos grupos de trabalho desde que não interfiram no normal funcionamento da sala de leitura.

 

V
Disposições finais

5.1 Consoante a gravidade ou reincidência da infração cometida, os leitores poderão ser impedidos de utilizar os serviços do Arquivo e, no caso dos atos praticados implicarem avarias ou danos sobre quaisquer equipamentos, sistemas, mobiliário ou instalações, todos os custos decorrentes da respetiva reparação ou substituição serão suportados pela pessoa responsável por esses atos. 5.2 O livro de reclamações encontra-se disponível em local visível, balcão de atendimento na sala de referência, conforme o previsto por lei. 5.3 No caso de sugestões , o técnico responsável pelo Serviço de Referência e Leitura deverá fornecer aos leitores o impresso que o Arquivo disponibiliza para esse efeito. 5.4 As dúvidas e os casos omissos não previstos neste regulamento serão resolvidos pela Direção ou em quem ela delegar.

 

REGISTO DE UTILIZADOR E DE PEDIDOS NO SISTEMA CRAV

01. Para efetuar um pedido de consulta, reprodução ou reserva, terá de se registar como utilizador. Na coluna do lado esquerdo, entre em REGISTE-SE AQUI. Se já está registado, avance para o ponto 3.

02. Todos os campos obrigatórios assinalados com * no formulário, devem ser preenchidos e, por fim, SUBMETIDOS. Pode imprimir a ficha com os seus dados que deve guardar. O código ou número de utilizador e a senha serão necessários para se autenticar no sistema.

03. Antes de iniciar a pesquisa (básica/avançada), deve fazer a sua AUTENTICAÇÃO (1) no sistema CRAV, utilizando o seu código ou número de utilizador e a sua senha.

04. Com o resultado da pesquisa e identificada a unidade documental pretendida, pode pedir a consulta (2) , reserva ou reprodução. Para isso, clique ícone com formato de BLOCO DE NOTAS e depois, escolha a opção pretendida em TRATAR PEDIDOS.

05. Depois de preencher os elementos necessários, confirme o pedido e clique em SUBMETER e depois IMPRIMIR. O pedido será impresso no balcão da Sala de Referência.

06. Para pedir a consulta de documento reservado pode fazê-lo a partir da PÁGINA PESSOAL > PEDIDOS, onde existe a listagem de todos os pedidos que efetuou e comunicações recebidas do Arquivo. Selecione o pedido de reserva e clique no ícone ao fundo da linha. O detalhe do pedido aparece na parte inferior. Clique em PEDIR CONSULTA.

07. Se vem consultar um documento que já consultou anteriormente, nos seus PEDIDOS, selecione-o e proceda de modo idêntico clicando ao fundo da linha e, seguidamente, em PEDIR CONSULTA

08. Caso pretenda a reprodução do (s) documento (s) consultados pode fazê-lo a partir da PÁGINA PESSOAL > PEDIDOS. Todos os pedidos efetuados estão em histórico. Selecione o pedido e clique no ícone ao fundo da linha. O detalhe do pedido aparece na parte inferior. Clique em PEDIR REPRODUÇÃO.

09. Em PEDIDOS > CONSULTA/RESERVA/REPRODUÇÂO, pode solicitar reproduções sem efetuar pesquisa ou solicitar pesquisas ao Arquivo.

10. Sempre que terminar a pesquisa, submissão de pedidos ou consultada sua PÁGINA PESSOAL, deve encerrar a sua sessão, acionando no canto superior direito o ícone SAIR.

(1) Nota: Se pretender apenas efetuar pesquisa, não terá de se autenticar.
(2) Só possível no Arquivo

 

REGRAS PARA MANUSEAMENTO DA DOCUMENTAÇÃO NA SALA DE LEITURA

É pedido a todos os leitores do Arquivo Distrital do Porto que colaborem na conservação dos fundos arquivísticos através de um correto manuseamento dos documentos.
 
Por isso, agradecemos que leia com atenção as recomendações que se seguem.

  1. Manuseie qualquer documento com o máximo de cuidado. Seja particularmente cuidadoso com os documentos em mau estado de conservação e de grandes dimensões.
  2. Não humedeça os dedos para virar as folhas.
  3. Utilize o suporte de livros apostos nas mesas, seguindo as indicações do técnico da sala e, em caso de dúvida, peça esclarecimento.
  4. Utilize as luvas sempre que estas lhe sejam entregues.
  5. Não se apoie nos documentos enquanto lê.
  6. Não coloque livros abertos uns sobre os outros, pois força as encadernações, provocando a sua danificação.
  7. Não empilhe nem retire os documentos da sua ordem.
  8. Não escreva, decalque, sublinhe ou anote nos documentos.
  9. Utilize apenas lápis, folhas ou computador para apontamentos durante a pesquisa.
  10. Alerte o técnico de serviço nas situações de: folhas dobradas, folhas coladas e folhas rasgadas.
  11. Não dobre as folhas como forma de marcação. Utilize para o efeito os marcadores fornecidos pelo Arquivo Distrital do Porto.

Obrigado pela colaboração!

Arquivo Distrital do Porto - Tabela de Preços

Serviços e produtos de reprodução documental
Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas

 

Tabela de Preços

(Anexo I do Regulamento de Reprodução de Documentos - Despacho n.º 6852/2015, de 19 de junho)

 

Identificação do serviço, reprodução e certificação Preço
   
Serviços de Apoio Técnico, Consultoria e Pesquisas 
Pesquisas — O período inicial de 30 minutos é gratuito, após o qual:  
1.ª Hora ou fração 20,00 €
2.ª Hora e cada uma das seguintes, ou frações 25,00 €
   
Transcrições (serviço realizado a título excecional)  
Por cada linha digitada  6,50 €
   
Consultoria e Apoio Técnico (por orçamento, tendo por base o valor/hora designado)  
Valor/hora por cada técnico envolvido (*) 40,00 €
   
Tratamento de Conservação e Restauro (Por orçamento, considerando como base o valor/ hora designado)  
Valor/hora por cada técnico envolvido (*) 40,00 €
(*) Aos valores indicados acrescem, quando aplicáveis, os custos inerentes a materiais utilizados, bem como as despesas relativas a deslocação, estadia e ajudas de custo dos técnicos envolvidos.  
   
Reprodução Geral  
Cópia em Papel (cópia a preto/branco)  
Formato A4  1,00 €
Formato A3  1,50 €
   
Digitalização  
Digitalização na íntegra de documentos — imagem 0,25 €
Digitalização parcial de documentos — imagem 0,75 €
Digitalização automática a partir de microfilmes — imagem 0,50 €
Digitalização manual a partir de microfilmes — imagem 1,30 €
Digitalização a partir de fotografia — imagem 6,50 €
Cópia de imagem digital — imagem 0,15 €
   
Taxa Patrimonial 2,00 €
Taxa aplicável a todos os trabalhos que impliquem cuidados especiais de manuseamento do documento original em risco e/ou que se encontre fragilizado  
   
Controlo de Qualidade  
Controlo de qualidade — rolo 35 mm 15,00 €
Controlo de qualidade — rolo 16 mm 30,00 €
Trabalho de inspeção — rolo 35 mm  6,00 €
Trabalho de inspeção — rolo 16 mm  15,00 €
   
Acondicionamento  
Acondicionamento da matriz/35 mm 3,50 €
Acondicionamento da matriz/16 mm  3,00 €
   
Suporte (CD/DVD)  
CD/DVD 4,00 €
   
Certificação  
Certificação analógica (sobre reproduções em papel) 15,00 €
Preço por documento certificado, acrescido do valor consoante o n.º de cópias  
Certificação digital (assinatura eletrónica qualificada sobre formato digital) 15,00 €
Preço por objeto digital, acrescido do valor consoante o n.º de imagens  
   
SCROLL TO TOP